Tina Descolada: uma jovem cadeirante aventureira.

Marta-1-4Nós conhecemos uma mocinha muito interessante chamada Tina Descolada, que desfila no blog de mesmo nome. Não resistimos e a convidamos para dar o ar da graça por aqui, afinal, a Tina se aventura por aí, experimentando os prazeres da vida e mostrando que é possível curtir adoidado cada pedaço do mundo. Para isso, bastam algumas adaptações e muito bom humor, além de disposição, é claro. Leiam a história da Tina e nos digam se gostaram. 

No reino do imaginário podemos tudo, no reino da realidade cada um deve saber do seu possível, por Marta Alencar

A valente Valentina, Tina.

Tina descolada nasceu com o propósito de ser uma sensível agente de inclusão. Ela veio do reino do imaginário. Ao chegar no reino da realidade, a Tina sofreu uma circular de cordão… o que fez sua mãe lhe dar o nome de Valentina, pois ela já nasceu enfrentando e vencendo barreiras. Sobreviveu a um acidente desde as primeiras horas de vida.
A sua mãe era muito curiosa e como nada sabia sobre pessoas com deficiências, ela queria saber sobre como as pessoas com deficiências eram tratadas em outros tempos. Ela encontrou um grande livro, só que o livro estava todo escrito com tinta invisível. Toda a história remota onde eram considerados como entidades malignas, jogados em precipicios, preconceito e discriminação… E tudo que até hoje é um peso que influencia o pensamento das pessoas com e sem deficiência. Sua mãe e seu pai tentavam ler mas nada via… que bom!!!
Letras escritas com tinta invisível? Os pais da Tina de nada ficaram sabendo então foram criar a Tina do jeito que eles pensavam que deveria tratar uma criança. A mãe, como a maioria das mães, quando via a fragilidade daquele bebê que sofreu para nascer, que não conseguia segurar a cabeça e não pegava os brinquedos com firmeza, queria colocar a Tininha em uma bolha e deixar ela lá quietinha …mas para a sorte da Tininha o seu pai era diferente, ele pensava que se levasse a filha para o mundo ela poderia superar as limitações e desenvolver mais rápido. Que sorte!!!

Marta-1O nome Valentina caiu como uma luva para essa brava garota, ela desde muito pequena rompia as bolhas que sua mãe tentava colocá-la, ela fazia da bolha uma bola e chutava, jogava para cima.

É isso mesmo!! Ser corajosa é importante para qualquer pessoa, não podemos nos dar o luxo de alimentar o medo pois ele é paralisante e nos faz desperdiçar muita energia. A coragem da Tina não deixou ela criar barreiras internas para enfrentar as dificuldades da vida. As barreiras externas ela encontrava e encontra todo o tempo como qualquer outra pessoa. Mas essa garota dá um exemplo de força e coragem para todos, até mesmo para crianças que não tem nenhuma limitação, mas seus pais as impedem de experimentar o mundo. A Tina é um exemplo para esses garotos e garotas.

Marta-1-3Diz a Tina inspirada em Alice no país… :
“A única forma de chegar ao impossível é acreditar que é possível”
“Assim encaro meus medos e não deixo que eles me impeçam de realizar meus sonhos. Não há coragem sem medo, meus medos de relacionar, de não ser aceita pelo outro, de ser rejeitada, de ir para escola sem minha mãe, de pedir ajuda, todos são enfrentados e são oportunidades para o meu crescimento. Sou um modelo de possibilidades: gosto da natureza, de tomar banho de cachoeira, de acampar com meus amigos, de fazer deliciosas receitas, de andar de tirolesa, cuidar das plantas, dos animais, de receber o carinho e o respeito das pessoas, de dançar, ir na balada, de ter diferentes tipos de amigos, de comer frutas, ir ao cinema, de ver o chão de cima de uma árvore e de mim mesma”.

Marta-1-2A Tina infelizmente ainda encontra muitas barreiras físicas que não deveriam existir mais, como ela não se importa em pedir ajuda há sempre uma “mão amiga” disposta a ajudá-la.

536166_448052798601581_395020864_nInfelizmente as pessoas com deficiências ainda encontram muitas barrreiras atitudinais – preconceito e discriminação – Tina veio como agente de inclusão com um sensível propósito: criar uma rampa de acessibilidade até o coração das pessoas.

As pessoas com deficiência devem ser olhadas e a olhar a si mesma de forma mais humana, nem vitimas nem heróis, nem melhor nem pior. Deve ser considerada antes de sua deficiência como pessoa.

 

*Marta Alencar – Psicóloga, fotografa, idealizadora da Tina descolada. Trabalha com pessoas com deficiência e seus familiares desde 1986. Criou o personagem por ter o desejo de tornar a sociedade mais humanizada.

Anúncios