O que é demodée não só em tempos de protestos, por Mariana Silva, Ser diferente é fashion

Nossos colaboradores

Mariana Silva

Durante o tempo em que nos falamos aqui, tenho dito que a moda tem o poder de nos deixar mais bonitos e, indiretamente, também tem o poder de nos fazer pessoas melhores; mais confiantes e seguros de nossos talentos e qualidades. Mas, preciso admitir que a moda também tem seu lado demodée.

Existem pessoas que pagam por roupas muito mais que a renda mensal da maioria das famílias brasileiras. O pior disso tudo é que algumas dessas pessoas não conseguem pagar pela aquisição sem entrar em sérios apuros financeiros. Outras simplesmente não quitam a dívida contraída.

Quando alguém vai comprar essas coisas, a escolha por empenhar o orçamento com uma calça ou bolsa é única e exclusivamente da pessoa que deseja a mercadoria; é uma ação livre. Porém, nem sempre o modo como nosso dinheiro é empregado é tão democrático e transparente como nesse caso.

Venho acompanhando os protestos que acontecem em todo o país nos últimos dias e uma das grandes questões levantadas é: para onde vai o dinheiro recolhido em impostos governamentais que não acaba em educação, saúde, bem-estar, enfim, em condições básicas para a vida decente dos brasileiros?

Eu não sei. Mas aplaudo os protestos com entusiasmo. Acho que estamos cansados de tanta exploração, falta de vontade e imperícia de nossos governantes que, em época eleitoral, nos dão seus melhores sorrisos e abraços. Não é só pelo aumento de vinte centavos na passagem de São Paulo, é mais.

Vendo esse panorama, não poderia deixar de comentar com vocês minhas impressões sobre as manifestações contra as injustiças já que nós, diferentes, particularmente sofremos com a falta de investimentos governamentais destinados à melhoria de nossa condição de vida, educação, locomoção, etc…

Sei que a moda tem seu lado B, como disse no início. Mas, humildemente, acho que esse lado não é mais sujo que o das pessoas que, agindo de má fé, tiram o pouco de muitos brasileiros para dar nada em troca. Os protestos vêm em boa hora. Como é possível comemorar a glória dessa Copa se muitos brasileiros não conseguem, ao menos, viver dignamente? E como usar despreocupadamente a moda para ficarmos bonito se o cenário está tão feio? Registro, é claro, que vandalismo é totalmente fora de moda…

*Mariana Silva (Idealizadora do Blog http://naoesobremoda.wordpress.com, é colaboradora de http://www.tudobemserdiferente.com. Jornalista, 24 anos, nascida em Belo Horizonte, Minas Gerais. Para ela, moda é uma futilidade necessária e um fenômeno sociológico interessantíssimo; “o legal é quando fazemos a moda trabalhar a nosso favor, ficar dependente dela não faz bem”). Tem displasia Óssea, síndrome que afeta o crescimento e a resistência dos ossos de todo o corpo. Escreve Ser diferente é fashion para http://www.tudobemserdiferente.com toda quinta-feira. 
Anúncios