Quimioterapia e Beleza, Ser Diferente é Fashion, Mariana Silva

Quem disse que quimioterapia não pode ser leve?

Quando comecei a entender que se sentir bem, bonita e arrumada, era importante para a manutenção da autoestima, acreditava convictamente que isso servia para mostrar ao mundo como estamos felizes e adaptados ás nossas diferenças, congênitas como é o meu caso, ou adquiridas, como é o caso de muitos amigos e amigas que aqui frequentam. Ainda não havia percebido que a autoestima pode fazer muito mais por nossa vida.

Depois de conversar com Flávia Flores, idealizadora da fanpage Quimioterapia e Beleza, entendi que se sentir bonita é questão de saúde. Flávia, que enfrenta com muita leveza um câncer de mama, me contou como tudo começou: “descobri a doença 10 dias após uma cirurgia de troca de próteses de silicone. Sentia um carocinho, já tinha feito mamografia, ultrassom, mas nenhum médico tinha explicado que poderia se tratar de um tumor maligno”.

Chegar até esse estado de espírito tão elevado foi um processo, “as primeira imagens que passaram na minha cabeça eram de mulheres carecas, sofridas e feias devido os efeitos da quimioterapia. Decidi que não queria isso, trabalhei 23 anos no mercado de moda e aquilo não combinava comigo. Resolvi procurar na internet artifícios de beleza para passar por essa fase de cabeça erguida”.

Como não achou nada consistente que falasse sobre quimioterapia, vaidade e autoestima, Flávia resolveu criar seu espaço. Na fanpage, dicas de maquiagem, beleza, amarração de lenços, bem-estar durante as sessões de quimioterapia e mensagens inspiradoras são postadas para que as “cats”, apelido que Flávia  deu para suas seguidoras, possam encarar essa fase da vida com a mesma delicadeza com que ela passa por todas as etapas do seu tratamento.

Sobre a ligação entre autoestima e saúde, Flávia não tem como provar essa relação, mas tem bons indicadores de que é verdadeira: “não sei como te provar isso cientificamente, mas meus exames estão excelentes, imunidade lá em cima… eu tenho certeza que isso tudo é reflexo da minha autoestima elevada”. Essa autoastral que se transforma em saúde pode ser visto pelas fotos e depoimentos que essa “cat” compartilha com seus seguidores. Mesmo que você não a conheça pessoalmente, pode sentir.

Além de me dar uma entrevista, Flávia também me presenteou com uma lição: beleza não é só combinar os tons na maquiagem, tão pouco comprar uma roupa nova, que te caia bem, menos ainda querer que as pessoas olhem para você nas festas. Beleza tem a ver com acreditar que se é capaz de ser o que quiser ser, é ter fé que as coisas, se não estão muito bem, em breve ficarão ótimas. Segundo Flávia, tudo é transitório, muda para melhor, “o tratamento é uma fase, ele começa e termina, depois a vida volta ao normal”. Volta sim, com muito brilho e muito blush.

*Mariana Silva (Idealizadora do Blog http://naoesobremoda.wordpress.com, é colaboradora de http://www.tudobemserdiferente.com. Jornalista, 24 anos, nascida em Belo Horizonte, Minas Gerais. Para ela, moda é uma futilidade necessária e um fenômeno sociológico interessantíssimo; “o legal é quando fazemos a moda trabalhar a nosso favor, ficar dependente dela não faz bem”). Tem displasia Óssea, síndrome que afeta o crescimento e a resistência dos ossos de todo o corpo. Escreve Ser diferente é fashion para http://www.tudobemserdiferente.com toda quinta-feira. 

Anúncios