Férias solidárias e inclusivas para crianças: notícias de Portugal

Texto Juliana Batista | Foto Fundação «O Século» | 

A Legião da Boa Vontade, a Cáritas, a Fundação «O Século», o município de Almada e o Banco de Informação de Pais para Pais são algumas das entidades que promovem programas de férias para crianças carenciadas ou com necessidades educativas especiais
IMAGEM

Com a chegada das férias escolares, são várias as entidades que organizam programas especialmente dedicados aos estudantes. Entre as várias ofertas para os meses de verão, destacam-se iniciativas promovidas por municípios, instituições, associações e organizações portuguesas que desenvolvem programas que privilegiam crianças institucionalizadas, provenientes de famílias carenciadas ou ainda com necessidades educativas especiais, com o apoio de monitores voluntários.

Um desses exemplos é o programa «Semente da Boa Vontade», realizado pela Legião da Boa Vontade (LBV), que recebe, nos meses de julho e agosto, 60 crianças que vivem em situação de vulnerabilidade social, no Porto. De segunda-feira a sábado, o tempo das crianças é preenchido com atividades desportivas, passeios a parques, jardins, museus, idas à praia e piscina, aulas de música e de cidadania ecuménica. Através deste programa, a LBV presta apoio gratuito às famílias, ao cuidar, alimentar e manter em segurança os mais novos.

Durante os meses de julho, agosto e setembro, um grupo de monitores voluntários vai animar a Colónia de Férias da Cáritas Diocesana de Leiria-Fátima, que vai decorrer naquela que é conhecida como a «Casa Amarela», situada junto à praia do Pedrógão. A iniciativa é destinada, de modo especial, a crianças institucionalizadas ou provenientes de famílias desfavorecidas. Através desta ação pretende-se proporcionar aos participantes um período de férias que promova o seu bem-­estar integral.

 

Até ao final do mês de agosto, a Fundação «O Século» vai realizar a já tradicional colónia de férias para crianças entre os seis e os 12 anos. A iniciativa desenrola-se a partir de um programa com uma componente educativa, cultural, desportiva e recreativa, de modo a satisfazer as necessidades de lazer dos participantes e quebrar rotinas. Encontrar-se em situação de vulnerabilidade social ou ser proveniente de instituições com protocolos ou parcerias com a Fundação «O Século» são dois dos critérios de seleção dos participantes.

 

Durante quatro horas por dia, de 15 de julho e 9 de agosto, os jovens residentes no município de Almada, com idades entre os 12 e os 17 anos, vão ter oportunidade para participar num programa gratuito de férias, dirigido àqueles que têm carências económicas. Ao longo dos vários dias da iniciativa, promovida pelo município, os mais novos vão ter a possibilidade de participar em workshops, aulas de surf, passeios de fragata, atividades de praia, ateliês de animação e jogos coletivos.

 Também este verão, a associação Banco de Informação de Pais para Pais, vai tornar a promover campos de férias com atividades inclusivas para crianças portadoras de deficiência, e para participantes sem necessidades educativas especiais, de forma a fomentar a convivência entre estas. Idas à praia, formação em primeiros socorros, atividades com cavalos e passeios pela natureza são algumas das atividades que fazem parte do programa, que decorre até 16 de agosto, na Escola EB1 da Galiza, Estoril. A Fundação Luís Figo associou-se à iniciativa e vai oferecer a estada a 50 crianças desfavorecidas, portadoras de deficiência ou não.

Anúncios