Morador de Florianópolis é escolhido surdo mais bonito da América

Tomaz, de 27 anos, participou do concurso Mister Deaf International.

No mesmo concurso, brasileira foi eleita Miss Deaf International.

Tomaz foi eleito o surdo mais bonito da América (Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)Tomaz foi eleito o surdo mais bonito da América (Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)
Tomaz tem 27 anos e fez graduação na UFSC (Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)Tomaz tem 27 anos e fez graduação na UFSC
(Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)

Um morador de Florianópolis de 27 anos foi eleito um dos surdos mais bonitos do mundo e o mais bonito da América no concurso Mister Deaf International. No mesmo concurso, que ocorreu dia 30 de julho, na Bulgária, a brasileira Lais Gonçalves foi a vencedora e se tornou a Miss Deaf International.

Tomaz Beche Estivalate tem graduação em Letras Libras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), é professor, ator, tradutor e modelo. Ele conta que já participou de outros concursos e em um deles concorreu também com ouvintes. Porém, neste ano o concurso foi exclusivamente para surdos.

Tomaz e Lais participaram de concurso internacional  (Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)Tomaz e Lais participaram de concurso internacional
(Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)

Segundo Tomaz, ainda criança participou de grupos de teatro da associação dos surdos, na escola e em encontros com amigos. Depois, ao ingressar na universidade, iniciou o trabalho como ator/tradutor na comunidade surda em todo Brasil. “Foi então que me tornei conhecido nacionalmente. Já o trabalho como modelo, iniciei aos 14 anos”, disse.

Apesar de trabalhar como modelo desde os 14 anos, a participação em desfiles é recente. Em 2009, Tomaz foi convidado para o concurso, mas não aceitou. Depois, em 2010, participou e gostou da experiência. “Resolvi ir mais longe. Em 2013, fui selecionado para representar o Mister Brazil na comunidade surda. Fiquei muito contente por ser escolhido”, disse ele.

Além disso, a experiência vai além do título. “Conheci novas pessoas surdas no evento, aprendemos juntos, nos comunicamos através de sinais. É uma língua universal. Esse encontro foi muito bom, é uma nova experiência e é importante para o público ver que pessoas surdas são capazes e têm sua beleza”, disse.

De acordo com ele, nunca sentiu preconceito no dia a dia, mas na carreira já perdeu oportunidades por ser surdo. “Na agência de modelo, fui fazer uma entrevista e o diretor/estilista me pediu desculpas, mas que não havia mais vagas. Senti que era porque sou surdo. Por falta de experiência, eles têm medo que eu erre por isso. Mas para trabalhar como modelo não é necessário ouvir, mas necessário olhar e desfilar. Tenho um corpo para isso e meu perfil já está incluído”, contou ele.

Rapaz tem 27 anos, é professor, ator e modelo (Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)
Rapaz tem 27 anos, é professor, ator e modelo
(Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)

Já quanto à beleza, percebe vantagens e desvantagens. “Eu sofri toda minha vida. Sempre quis melhorar, porque sou muito exigente. Eu me irrito, mas no fundo gosto dos meus defeitos e aprendi conviver com eles”, disse.

Após o concurso, conforme Tomaz, começaram a surgir convites. “Estou sendo convidado para fazer entrevistas no jornal, revista, TV. Dar uma palestra sobre minha experiência no concurso. E também para fazer novas campanhas”, completa.

Anúncios