Aplicativos para tablets ajudam pessoas com dificuldades de comunicação: Programas não dispensam acompanhamento especializado, como o de fonoaudiólogos e terapeutas

 Shirley Pacelli / Estado de Minas

'Quando você sai com uma criança autista para almoçar fora é difícil fazer com que ela fique sentada e se comporte como a sociedade espera. Com o aparelho, ela pode brincar e se distrair nem que seja por 10 minutos' - Murilo Saraiva Queiroz, pai de Max (Jair Amaral/EM/D.A Press)
‘Quando você sai com uma criança autista para almoçar fora é difícil fazer com que ela fique sentada e se comporte como a sociedade espera. Com o aparelho, ela pode brincar e se distrair nem que seja por 10 minutos’ – Murilo Saraiva Queiroz, pai de Max

Max é um lindo garotinho de 6 anos e meio. Em seu mundo, repleto de referências dos desenhos animados que vê no tablet, dizer “e no episódio de hoje…” é o mesmo que perguntar sobre a programação do dia para os seus pais. Quando quer se despedir, ele solta: “Foi uma aventura muito divertida, não acham?”. O menino é autista (tem disfunção global do desenvolvimento) e as expressões usadas são reflexo da ecolalia, repetição de palavras aleatórias. Com o tempo, assistindo à seleção de seus episódios favoritos, ele aprendeu a usar os termos das animações no contexto correto.

O pai, Murilo Saraiva de Queiroz, de 36 anos, é projetista de hardware da Nvidia e tem uma coluna sobre tecnologia na revista Autismo (revistaautismo.com.br). Ele conta que o filho nasceu com uma cardiopatia congênita grave e ficou internado muito tempo. O longo período de internação e uma traqueostomia (abertura feita na traqueia) a que foi submetido fizeram com que Max demorasse a falar e ter um grande atraso na capacidade de se comunicar.

Foi só depois de ver um documentário na TV sobre autistas que Murilo percebeu que o filho se encaixava nesse perfil. Com 2 anos e meio, um especialista confirmou o diagnóstico. Desde então, o garoto faz terapia ocupacional e tem sessões com psicóloga e fonoaudióloga. Hoje ele fala, obedece a comandos e está aprendendo a ler.

Interessado em softwares, Queiroz sempre tentou fazer com que o filho usasse o PC, mas manusear o mouse era tarefa impossível para Max. “No computador você leva o mouse para a setinha ir até a imagem, para então ela reagir. No tablet não. É na hora. É muito concreto, uma resposta imediata e a interação é fácil para o autista”, explica Queiroz. Ele diz preferir dispositivos móveis Android porque a diferença de custo, se comparado a um iPad, é muito grande e não compensa arcar com o risco de quebras, perdas e outros acidentes.

Saiba mais…

 Jeitinho brasileiro para a inovação Empresa brasileira desenvolve aplicativos para portadores de distúrbios de linguagem e articulação

Para Queiroz, o fato de a criança adorar o tablet já é uma grande vantagem. O filho está no seu segundo aparelho, um Gênesis, porque literalmente destruiu o primeiro, um Asus Transformer, de tanto que usou. “Quando você sai com uma criança autista para almoçar fora é difícil fazer com que ela fique sentada e se comporte como a sociedade espera. Com o aparelho, ela pode brincar e se distrair nem que seja por 10 minutos”, diz. Ele explica que o autismo é mais sutil que a síndrome de Down e as pessoas não costumam ter paciência – se uma criança autista grita no supermercado, todo mundo acha que é birra infantil.

APP PARA CADA CASO

Ao contrário de muitos indivíduos, Max não precisa do tablet para comunicação, mas como reforço de comportamento, melhora da coordenação motora e entretenimento. O menino gosta de jogos comuns, como o Angry Birds. O game, inclusive, instigou a curiosidade do garoto a tal ponto que ele aprendeu a usar o mouse do computador para jogar a versão web.

Para Queiroz, existem aplicativos de categorias específicas que são muitos úteis, mas o interesse que eles despertam é muito amplo e depende do desenvolvimento e da relação da família com a pessoa deficiente. O próprio autismo tem diferentes níveis, há crianças que não falam, não interagem de forma alguma, e outros que chegam até a faculdade.

Atualmente, os aplicativos para comunicação assistida são os mais usuais, como o Livox (agoraeuconsigo.org) e a fase 3 do PECS (pecs.com). Eles foram inspirados em grandes fichários impressos com figuras simples de ações, objetos e pessoas. Bastava tocar a ficha. O problema é que com o tempo os cartões se multiplicavam e desperdiçava-se um tempo precioso nessa conversa. “Depois, passaram a fazer computadores sob encomenda, caríssimos (cerca de R$ 30 mil), com teclado de figuras. Com o tablet isso ficou muito mais acessível”, diz.

O aplicativo não é a peça mais importante para o desenvolvimento de alguém com dificuldade de comunicação, segundo Queiroz. Estabelecer o contato, para ele, é o mais complicado. “Se a pessoa não está treinada, não senta e tenta explorar o aplicativo junto com o autista, não vai adiantar. É importante saber a necessidade dela, escolher o programa e o apresentar de um jeito produtivo”, afirma.

Anúncios