Ser diferente é fashion: um encontro entre meninas diferentes e prá lá de arrumadinhas, por Mariana Silva

Aline quatroSabe aquela pessoa que conversa até com o poste se ele der espaço? Pois é, essa sou eu. Algumas vezes, esses papos descompromissados rendem belas histórias, que acrescentam alguma coisa. Ao encontrar Aline Costa, que conheci dentro de um ônibus que me levava até a pós-graduação, foi isso que aconteceu.

Quando me sentei, percebi que estava ao lado de uma garota “arrumadinha”, assim como eu. Que usava um vestido longo preto, daqueles que adoro, e extremamente bem maquiada. Ela olhava para o livro de moda que eu lia até que, finalmente, criei coragem e perguntei: “você gosta de moda?”

Ela disse: sim. Aí pronto, não paramos mais de conversar. Aline, que é diferente como nós, diz que adora maquiagem, “não consigo ir à padaria sem usar rímel e batom, me sinto pelada sem eles”, brinca. A loira prefere batons vermelhos, ou em variações desse tom, porque ressaltam sua boca carnuda.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sobre as limitações, Aline conta que sempre enfrentou tudo com muita força de vontade, “ás vezes é complicado, os desafios são grandes, mas precisamos enfrentar tudo. Eu nunca desisti de nada, porque Deus não dá uma cruz que não conseguimos carregar. O pior é o preconceito de algumas pessoas”.

Quanto ao amor pela moda, Aline conta que gosta das tendências, mas tem seu estilo: “a moda é importante porque contribuí com o estímulo à autoestima. Eu, por exemplo, gosto de usar muito preto, blusas que me favoreçam, assim como os vestidos longos, sem nunca ser vulgar. Fundamental é ter um estilo único”.

É bom conhecer meninas como Aline. Arrumadinhas, vão mostrando que moda e beleza são ótimas pontes para autoestima. Escudos  protetores frente aos obstáculos que podem surgir. Não digo apenas dificuldades físicas, afinal até um dia ruim pode ser limitador. Quando nos sentimos mais bonitos e de bem com a vida, nossas forças aumentam. Assim a vida fica leve, mais fashion.

Aline cinco

*Mariana Silva (Idealizadora do Blog http://naoesobremoda.wordpress.com, é colaboradora de http://www.tudobemserdiferente.com. Jornalista, 24 anos, nascida em Belo Horizonte, Minas Gerais. Para ela, moda é uma futilidade necessária e um fenômeno sociológico interessantíssimo; “o legal é quando fazemos a moda trabalhar a nosso favor, ficar dependente dela não faz bem”). Tem displasia Óssea, síndrome que afeta o crescimento e a resistência dos ossos de todo o corpo. Escreve Ser diferente é fashion para http://www.tudobemserdiferente.com toda quinta-feira. As opiniões aqui publicadas são de responsabilidade do colunista.

 

 

Anúncios