Feito com os pés: blog de garota com paralisia cerebral

Por Sônia Pessoa

A Jane Cardoso Costa, minha professora de yoga (ando meio afastada dos nossos encontros, mas tento praticar em casa e na vida o que ela me ensinou em momentos preciosos), me enviou a sugestão de um blog que se chama Feito com os pés.

A Priscila de Toledo Fonseca é uma estudante de Design, que tem paralisia cerebral, e conta as suas histórias, experiências, desafios e propõe discussões interessantes sobre acessibilidade.

Fiquei impressionada ao ler um dos últimos relatos publicados pela Priscila, que eu reproduzo abaixo:

a

Quase deficiente mais uma vez – Readaptar

Priscila de Toledo Fonseca

Tenho paralisia cerebral desde o nascimento. Sou dependente das atividades diárias, o que significa que não me alimento por conta própria, nem me deito e muito menos vou ao banheiro com minhas pernas. Porém, ainda assim, sou adaptada às minhas limitações. Sempre tive minha própria maneira de resolver coisas simples como: ligar computador, televisão, radio, pegar livro, lápis, folha, arrumar as gavetas, o armário, meu material para estudar, tirar as coisas do meu caminho etc. Tudo isso com os pés. Não gosto de esperar, uma vez que já tenho que esperar para comer, tomar banho, etc.

Minha vida é próxima do “normal”, estou terminando a faculdade, trabalho e namoro. Achei que era imune a qualquer tipo de limitação além da qual já tinha,mas estava errada.

No meio do ano passado comecei a senti uma dor no ombro. Após alguns meses a dor persistia e decidi ir ao médico e em dezembro de 2012 fui fazer hidroterapia por orientações médicas. Um dia antes da minha primeira sessão sai com minha mãe e senti uma leve dificuldade ao entrar no carro. Duas semanas depois estava com formigamento nas pernas e minha força se diluía progressivamente. Meu desespero começou. Eu costumava chorar, com medo de perder minha pequena autonomia. No início, os médicos acharam que minha paralisia cerebral estava sofrendo alguma alteração no padrão, mas eu sentia que tinha algo além. Continuei tentando fazer minhas atividades, na esperança de não perder mais os movimentos, porém todo meu esforço era em vão, pois piorava dia a e os médicos não forneciam um diagnóstico preciso. Nunca havia me sentido incapaz. Pela primeira vez me senti dessa forma. Perdi a capacidade de mover minhas pernas bem como meu equilíbrio, e com isso, meus pensamentos giravam em torno da vida que tinha conquistado e chorava pois tinha perdido a perspectiva do que fazer dali em diante. Eu Teria que me readaptar e aprender um modo diferente de viver, pois não conseguia usar o computador, desenhar,enfim, me via incapaz de fazer algo além de olhar para o teto e esperar a vida acabar.

No início deste ano um médico atencioso, já mais velho, disse que eu poderia estar com um processo de compressão da medula. Após alguns exames foi constatado que eu tinha uma hérnia de disco no pescoço. A hérnia fui causada pela minha movimentação de cabeça, a qual é muita brusca por causa da paralisia. Em fevereiro fiz minha primeira cirurgia. Em meus pensamentos, o medo e a incerteza competiam com a esperança de melhora. Logo após a cirurgia conseguir levantar a perna e ainda estou me recuperando.

Minha família, meus amigos e meus colegas de faculdade acostumaram a não ter que me ajudar a fazer coisas tais como me levar aos lugares, ligar a televisão e o computador, etc. Todos se esquecem por um momento que não tenho a mesma autonomia. Ainda não se sabe se vou ficar com lesão na medula, pois, até agora, apesar de ter recuperado grande parte dos meus movimentos, ainda não me recuperei por completo. Ao final dessa experiência eu tive que readaptar meu modo de fazer as coisas. Aprendi a esperar e a ter paciência de ficar parada. Meu modo de pensar e ver as coisas mudou totalmente e agora valorizo muito mais meu estilo de vida.

Anúncios