Táxis acessíveis: taxistas vencem queda de braço, usuários com deficiência ficam em segundo plano…

Por Sônia Pessoa

Os taxistas entraram em uma licitação da Prefeitura de Belo Horizonte para atender exclusivamente pessoas com deficiência (PCD). Ganharam a concorrência, pressionaram, a BHTrans cedeu, e agora, em caráter experimental os taxistas vão atender outros passageiros, supostamente dando prioridade às PCD. Uma das alegações dos taxistas é que não há demanda suficiente para o serviço e que eles ficam no prejuízo. E alegam ainda que os demais táxis podem atender as PCD. Sim, os outros táxis podem atendê-los. Os taxistas só esqueceram de mencionar que os demais táxis não estão adaptados, os motoristas não fizeram cursos preparatórios e nem todos os veículos comportam cadeiras de rodas e demais acessórios necessários para o deslocamento dessas pessoas.

O jornal Diário do Comércio publicou reportagem sobre tema, com enfoque econômico, como é a proposta do veículo. Só esqueceu ou preferiu não entrevistar o usuário que é quem usa, precisa, paga pelo serviço… infelizmente… Abaixo a matéria…

Anúncios