É Natal, por Cristina Silveira

cristina 2É Natal.

Nessa época, para além de todo o caos no transito, o corre-corre às lojas, os presentes, confraternizações, devo lembrar que a simbologia maior desta data é na verdade,  o nascimento do menino Deus.

Menino… Deus….

E quando penso em menino… em criança… em começo de uma vida, me lembro das minhas crianças, dos meus alunos, dos meus pacientes, do meu filho. E me emociono.

Me emociono, porque além de ser maravilhoso testemunhar cada passo dado, cada avanço, cada conquista, posso ainda compartilhar a alegria e a vibração dos pequenos quando conseguem alcançar um objetivo e voar um pouquinho mais alto a cada dia, a cada semana, a cada mês. E aí sim, acredito novamente que tudo é possível. E novamente me vejo cheia de esperanças, buscando junto com tantas “ vidas novas”  uma oportunidade, uma mão estendida, alguém que acredite!

E me emociono ainda mais, quando recebo de volta um olhar com aquele brilho, cheinho de amor, me dizendo “ obrigado”. Um olhar falando no lugar das palavras que às vezes não podem ser ditas, por que, não se sabe porque , a criança ainda não fala. Ou um aperto daquele que, não se sabe porque, ainda não sabe abraçar. Ou um som carinhoso qualquer vindo daquele que, não se sabe porque, ainda não canta a sua música preferida. Um rabisco, da mãozinha tentando fazer um coração, daquele que ainda não pode escrever. Um balançar de cabeça daquele que ainda não anda, ainda não fala e ainda não escreve, mas que sente, que percebe, que aprende e agradece !  E assim… sou nutrida de amor.

Me emociono com as minhas crianças rotuladas em um diagnóstico, ditas “ Hiperativas”, Aspergers,  Dislexas,  Boderlaines, etc, que num esforço sobre-humano, tentam corresponder  às exigências de escolas que “ massificam” o ensino e avaliam um aluno por um montinho de números e seus míseros décimos. Que não levam em consideração o esforço, a garra, a vontade, a disponibilidade, a ENORME convicção de que PODEM !  E me fortaleço com essa determinação e volto a levantar a bandeira da nossa  constante luta !

Me emociono quando vejo crianças superando tudo: dificuldades emocionais, separação, perdas e frustrações. Aprendo que devo ser mais forte do que elas, porque sou adulta, mãe, terapeuta, educadora e tenho a obrigação de ser um modelo para os meus pequenos. Assim, me faço melhor a cada dia, por eles e por mim mesma!

Então, quando chega a hora de comemorar o nascimento do Deus menino, no dia 24 de Dezembro, procuro um sentido, um caminho para encontrar esse Deus e o que  me conforta é quando me lembro que estive com ele durante todo o ano: em cada criança que encontrei e acompanhei.  E me encho de alegria e de amor!

Foi com minhas crianças e através delas, que aprendi a ser gente, uma gente melhor. Por isso, desejo a todos que compartilhe comigo essa descoberta. Existe SIM em cada criança, um Deus menino, que nos resgata e nos mostra o nosso verdadeiro lar : O AMOR.

FELIZ NATAL!

Cristina Silveira – Psicanalista, Psicopedagoga e arte-terapeuta

Anúncios