Desventuras no parque: a voz de uma jovem com mobilidade reduzida, por Tina Descolada e Marta Alencar

1743644_465997956859533_2102360201_n Tina descolada dando voz.

Após umas longas férias, estou de volta com minhas aventuras. Dessa vez vou fazer uma coisa de que gosto: dar voz.

Então não vou contar uma aventura que vivi, mas uma desventura de uma amiga.

Fui ao Parque Municipal de Belo Horizonte com uns amigos. Durante o passeio o meu espírito de diversão me direcionou para os prazeres… hehehe… e, me esqueci de prestar atenção na acessibilidade do parque.

A minha querida amiga, Bia (Beatriz Rodrigues da Cunha, 13 anos) foi logo depois. Então, pedi a ela que me contasse como foi a sua experiência para que eu pudesse dar alguma informação no meu blog.

A mobilidade da Bia é reduzida por sequela de Paralisia Cerebral. Ela é uma das minhas inspiradoras. Alimentamos uma admiração mútua.

“Tina, minha experiência no Parque Municipal não foi das melhores. Minhas experiências em parques, na verdade, nunca foram muito boas. Pra subir na roda-gigante precisei subir uma escadinha. Subi caminhando com apoio, mas na hora de descer, dois funcionários vieram e me carregaram no colo, sem nem me perguntar se eu precisava de ajuda. E isso me incomodou muito, afinal, é o meu corpo! Depois, quando quis ir ao banheiro foi um verdadeiro sacrifício. O banheiro adaptado para pessoas com deficiência estava trancado com um cadeado e a pessoa responsável pela chave não foi encontrada. Enquanto minha mãe foi procurar alguém para abrir o banheiro, uma mulher falou: “Se sabe que ela é deficiente, porque traz ela no parque?” Isso me magoou muito. Queria ter dito alguma coisa, mas estava longe. Por fim, eu tive que ir no banheiro normal, que mal coube eu e a minha mãe.”

Querida, Bia, eu também me sentiria muito magoada se escutasse um comentário desses.  Infelizmente temos pessoas que pensam e agem com preconceito e discriminação, que não respeitam nosso corpo e nosso direito de ir e vir.

Vamos transformar essas desventuras que encontramos na nossa trajetória em potência de agir!

* Por Marta Alencar, psicóloga clinica, fotografa e empreendedora social –

www.altaestima.org – Iedealizou a personagem Tina descolada – www.tinadescolada.com Assina a coluna: Tina descolada – agente de inclusão, publicada as terças feiras em http://www.tudobemserdiferente.com

** As opiniões aqui publicadas são de responsabilidade da colunista.

Anúncios