Lembranças e Emoções, Sobre Rodas, por Ricardo Albino

ric nenem

Chegou dezembro e daqui bem pouco tempo vou ficar mais velho. É curioso que durante a semana a TV e a minha rede social trouxeram muitas lembranças e emoções. Assistindo ao Programa Fantástico e vendo a história da menina que nasceu de seis meses, pesando apenas 345 gramas que depois de dez meses, lutando pela vida em um hospital, conheceu sua casa, pensei nos meus pais quando nasci.

Vim ao mundo mais forte que a pequena guerreira de São Paulo. Mas, eu e ela temos algo em comum. Ganhamos a oportunidade de curtir a vida. Aprender e ensinar. Sorrir e chorar. Estamos na Terra com a missão de alegrar. No meu caso, combinei que a partir de 2014, vou comemorar meu aniversario três vezes por ano. A primeira no dia que cheguei, 14 de dezembro. A segunda, em 15 de janeiro; data em que a rua viu minha pessoa estrear.  A terceira e ultima festa oficial será em março, quando eu deveria ter nascido, não fosse tão apressado.

Para festejar, quero encontrar familiares e amigos para dançar, cantar, pintar e contar cada minuto que vier com as cores que a minha vida deseja. Aprendi com a Bicampeã Paralímpica de atletismo nos 100 metros para cegos classe T11 que não é preciso enxergar para se ver o mundo. Segundo Terezinha Guilhermina ”o mundo tem a cor que a gente quer que tenha. ”

Voltarei a tocar meu pandeiro como fiz no Dia Nacional do Samba, ritmo que é o reflexo do meu sorriso. Fecho minha semana, agradecendo a todos que lutaram e ainda lutam comigo por um Brasil que precisa ser eficiente. Um lugar onde ser deficiente não signifique ser doente, incapaz, invalido nem tão pouco infeliz.

pandeiro

Ricardo Albino, jornalista, Coluna Sobre Rodas / Tudo Bem Ser Diferente

ricjornalista@hotmail.com / http:// HYPERLINK “http://ricardo-albino.blogspot.com.br

Fotos de arquivo pessoal

As opiniões aqui publicadas são de responsabilidade do colunista.

Anúncios