Como lidar com crianças ‘difíceis’ em sala de aula?

Por Sônia Pessoa

Caros leitores, são recorrentes as mensagens que recebo aqui no blog de professores e pais muito preocupados, algumas vezes desesperados, porque não sabem o que fazer com as crianças que são consideradas difíceis e que vão desencadeando comportamentos com os quais muitas vezes não conseguimos lidar.

Como lidar com uma criança que bate? E com a criança passa a revidar os ataques? Como lidar com a criança que se coloca na defensiva? E aquela que não pára quieta?

Na minha opinião, a primeira providência é uma conversa franca entre famílias e escola. Cabe à escola, após identificar a situação de qualquer criança, chamar os pais e falar abertamente sobre o que está acontecendo. Muitas vezes essas conversas são difíceis e pode demorar até que família e escola consigam encaminhar soluções em conjunto. O fato é que notificar as famílias envolvidas é fundamental para que se comece a refletir e a agir. Outro ponto importante é não considerar a notificação como a solução do problema. Indisciplina ou comportamentos ‘inadequados’ devem ser tratados para além das notificações, com um trabalho de tentativa de identificação das causas e de abordagens positivas que não estigmatizem o aluno. Se uma criança tem um comportamento considerado ruim o reforço negativo das suas ações reforçará também esse comportamento que se pretende melhorar.

Gostei muito do texto desse texto que fala sobre a importância das atitudes positivas com as crianças consideradas difíceis.

Fonte: Na Escola

Este texto é uma tradução do artigo “Fresh starts for hard-to-like students”, do Edutopia. Clique aqui para conferir o original!

Ainda que alunos difíceis sejam apenas crianças reagindo a emoções que elas próprias não entendem e não conseguem controlar, permanecer calmo e não levar o mau comportamento como uma ofensa pessoal podem ser tarefas árduas para o professor. Meu conselho: é hora de recomeçar do zero.

Crianças agressivas ou defensivas costumam estar encobrindo alguma insegurança (foto: Google)

 

Crianças “duronas” estão, normalmente, encobrindo algum tipo de sofrimento. Elas se defendem dessa dor erguendo paredes de proteção para evitar se sentirem rejeitadas. Entretanto, os esforços dos adultos para penetrar essas paredes costumam ser rejeitados através de linguagem, ações ou gestos ofensivos. Essas crianças são como bebês, incapazes de verbalizar a causa de seu desconforto – e que precisam desesperadamente de paciência, determinação e afeto, de professores ou familiares que se recusem a recuar. Aqui estão algumas formas de se conectar (ou reconectar) com estudantes que se fazem difíceis de gostar.

Expresse gratidão aos seus alunos difíceis

Por semanas seguidas, tente expressar algo de positivo para seus alunos difíceis todos os dias. Por mais desafiador que pareça, garanta que sua primeira interação com eles seja sempre acolhedora. Por exemplo, quando uma criança que chega constantemente atrasada e desinteressada aparecer, evite o impulso de ignorá-la ou repreendê-la. Ao invés disso, faça um comentário feliz por ela ter vindo. Por exemplo: “Eu estava esperando você chegar, que bom que veio! Bem vindo. Nós estamos corrigindo a tarefa de casa”.

Espere até que o resto da turma esteja ausente para então comentar sobre suas preocupações ou estipular consequências pelo mau comportamento. Mas faça-o de modo a demonstrar que se importa com o aluno, perguntando sobre o motivo do atraso, e não com irritação.

Use palavras de encorajamento todos os dias

Palavras de encorajamento mantém as crianças conectadas e motivadas em sala de aula. Abaixo estão dez exemplos. Encontre situações para introduzir ao menos alguns deles diariamente:

  • Isso foi muito bom!
  • Hoje, você se superou ao fazer _____________!
  • Eu fiquei muito impressionada quando você _____________.
  • Foi incrível ver você fazendo _________________.
  • Uau, você se esforçou muito nisso!
  • Você deve se orgulhar disso.
  • Essa tarefa não era fácil, mas você conseguiu.
  • Obrigada por cooperar.
  • Você me deixou muito feliz ao fazer ____________.
  • Parabéns!

Fale com seus alunos difíceis da mesma forma com que conversa com os mais comportados (foto: Google)

 

Aja com seus alunos difíceis como age com seus melhores alunos

Quem é a criança mais comportada e motivada da classe? Quando você pensa nela, quais adjetivos lhe vêm em mente? Quando vocês interagem, quais comentários surgem naturalmente? Quando essa criança comete um erro, qual a sua reação? Por uma semana, tente agir da mesma forma com seus alunos mais difíceis e menos comportados.

Mande anotações positivas aos pais

Prepare um e-mail ou anotação em caderno que registre comportamentos positivos e outras conquistas da criança que você observou recentemente. Mostre o recado a ela antes de enviá-lo.

Mesmo se você não reparou em nenhum comportamento marcante, escreva uma mensagem positiva – como se a atitude que você está esperando já houvesse acontecido. Então, mostre o texto para a criança e pergunte a ela se acha que aquele é um bom momento para mandá-lo aos pais.

Anúncios