Um dos grandes desafios contemporâneos é aceitar o outro em sua diferença, sem exigir que ele seja igual a cada um de nós. Aceitar o outro na sua diferença não significa ser negligente, aceitar práticas que vão contra os direitos humanos e negar a própria existência. Aceitar o outro em sua diferença, não significa desconstituir os conflitos ou mesmo negar a possibilidade de consensos, mas assumir a vida como ela é.

 

Muitos me perguntam como ensinar às novas gerações o respeito à diferença, quando ainda estamos enfrentando o racismo, homofobia, capacitismo e o machismo. Nossa sociedade é plural e existem diversos espaços para coisas diferentes.

É nesse contexto que a UNESCO acaba de publicar um material com roteiros e orientações para trabalhar com crianças e adolescentes o tema do respeito ao diferente. Quer saber mais, clique aqui.